O Bruto | “É preciso uma auditoria nessas placas de táxi. Com quem estão? Como concedem esses alvarás?”, questionou vereadora Aladilce

“É preciso uma auditoria nessas placas de táxi. Com quem estão? Como concedem esses alvarás?”, questionou vereadora Aladilce

31/05/2016

A forma como a Prefeitura de Salvador tem conduzido a questão do aplicativo Uber e a relação com os taxistas foi duramente condenada pela vereadora do PCdoB, Aladilce Sousa. Em entrevista a Rádio Vida FM (106,1), a vereadora afirmou que a gestão pública municipal não pode simplesmente proibir o uso do aplicativo e muito menos fechar os olhos para a forma como é concedida os alvarás de táxis na capital baiana. 

“O Uber é uma novidade, que precisa ser contemplado de maneira responsável, não pode jogar o taxista para fiscalizar. E com relação aos taxistas é preciso uma auditoria nessas placas. Com quem estão? Vamos democratizar, discutir a forma de concessão desses alvarás, com venda no mercado paralelo, tem gente com várias lacas. É preciso discutir a política de transporte que não existe na Prefeitura de Salvador…Dizer que é clandestino, não resolve. A Câmara votou contra no sentido de estimular a formalização e continuar o debate”, frisou. 

A vereadora falou ainda sobre a candidatura da deputada Alice Portugal a Prefeitura de Salvador. Segundo Aladilce, o diretório do PCdoB esteve reunido ontem e continua firme e forte com o nome da deputada. Ela disse ainda que a possibilidade de Alice ser vice em uma chapa com a senadora Lídice da Mata (PSB) ainda não foi discutida. “Ontem mesmo tivemos reunião para definir a agenda da campanha de Alice. “Logo teremos essa definição. Tem quer ser rápido, já estamos as vésperas da eleição e temos um candidato forte do outro lado. O cenário nacional tem interferido muito na política local, mas o PCdoB continua com o nome de Alice. O nome de Alice segue colocado”, garante.

Durante a entrevista Aladilce também criticou a condução do Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano (PDDU) que deve ser votado daqui a 15 dias na Câmara dos Vereadores. Na opinião dela, o assunto não foi debatido com a seriedade que o assunto requer. “PDDU é coisa séria, não é brincadeira. Foram 19 audiências públicas, mas não se discutiu da maneira certa”, disse.

Notícias Relacionadas

TREMENDAL

Homem é preso na Bahia por esquartejar esposa no Natal

auxilio

Na Bahia, João Roma promete Auxílio Brasil permanente

politica

Após aprovação do relatório final da CPI, Trump divulga mensagem a Bolsonaro

bahia

Governo prorroga decreto que libera eventos com até 500 pessoas na Bahia

SIGA:
© 2017 Todos os Direitos Reservados à O BRUTO